HOME

VAMOS DIZER SIM?

Publicado em 21/04/2017 às 17h38

      Comecei a ler “O ano que eu disse sim” porque queria me aventurar em um gênero literário diferente para sair um pouco da zona de conforto. Depois de ler muitas críticas positivas do livro, eu cheguei à conclusão de que seria uma leitura boa, mas depois de fechar a última página, eu conclui que a leitura foi fantástica.

     O desenrolar de toda a história acontece quando a Shonda Rhimes (criadora de Grey's Anatomy e How to Get Away with Murder) decide encarar um ano em que ela só responderá sim. Isso porque ela sempre dizia não a tudo: não para eventos importantes, não para discursos desafiadores, não para uma grande exposição pessoal, não, não, não. Até que em um almoço de família sua irmã questionou porque ela sempre dizia não. E aí se iniciou o ano do sim - que mudou a vida da Shonda e que mudará a vida de quem ler esse livro.

     Posso dizer que acompanhar todas as mudanças que esse ano trouxe na vida dela é transformador para o leitor. Isso, pois, acredito que muitos de nós também dizemos não a muitas coisas. Dizemos não a tudo aquilo que nos modifica, a tudo aquilo que nos tira da zona de conforto e, principalmente, a tudo aquilo que nós temos medo de tentar.

     Além de tudo isso que já falei, o livro é narrado de uma forma leve e divertida. Por mais que seja uma grande lição de vida que trouxe medo e desafios para a vida da Shonda, tudo é relatado com tanto senso de humor que nos faz pensar que encarar as nossas dificuldades talvez não seja algo tão difícil assim.

    Por isso, eu recomendo essa leitura para todos aqueles que querem deixar de procrastinar as coisas, que querem encarar e viver a vida de forma completa (sem deixar tudo passar sem ter ao menos tentado), que querem encarar os seus medos e ir em busca dos seus sonhos. E se eu não te inspirei nessa resenha, tenho certeza que a Shonda irá.

 

Comentários (2)

BOOK TAG DO CHOCOLATE

Publicado em 14/04/2017 às 16h05

     Já que estamos nesse "climinha" de páscoa, eu resolvi gravar a Book Tag do Chocolate. Então, vamos assistir? É só dar play aqui embaixo:

Livros citados no vídeo:
1. Chocolate meio-amargo: um livro que cobre um tópico obscuro - Os 13 porquês
2. Chocolate branco: um livro leve e bem-humorado - Um mais um
3. Chocolate ao leite: um livro que virou moda, todos falam e você está morrendo de vontade de ler - Extraordinário
4. Chocolate com caramelo: um livro que te fez sentir todo meloso durante a leitura - A geografia de nós dois
5. Chocolate com wafer: um livro que te surpreendeu ultimamente - O ano que eu disse sim
6. Chocolate com amendoim: um livro que está te fazendo surtar - Convergente
7. Chocolate quente: um livro que te conforta - Sem esperança
8. Caixa de chocolates: uma série bem variada que você acha que pode agradar pessoas de vários gostos - Sociedade Secreta

Quem criou
Quem traduziu

Obrigada por assistir e Feliz Páscoa para todos vocês - que o coelho seja bem gordinho esse ano! ♥

 

Comentários (1)

COMO COMEÇAR A LER EM OUTRO IDIOMA?

Publicado em 02/04/2017 às 19h22

      Alguém aí está cheio de vontade para começar a ler em outro idioma? Esse vídeo foi feito para você, então dê o play abaixo:

 

     Dicas do vídeo:

 1. Inicie se aventurando no idioma que você tem mais conhecimento;

 2. Tenha sempre um dicionário por perto;

 3. Anote as palavras novas e as traduções. Crie seu próprio dicionário!

 4. Leia o primeiro livro primeiramente em português e depois no novo idioma;

 5. Leia em um gênero que você gosta;

 DICA EXTRA: Leia com um e-reader.

     Espero que vocês tenham gostado do vídeo. E se vocês ainda têm mais alguma dúvida, deixem aqui nos comentários. Beijo e obrigada por assistir!

Comentários (3)

UM LIVRO QUE PRECISA SER LIDO!

Publicado em 30/03/2017 às 17h25

    Sempre tive vontade de ler “Os 13 Porquês” do Jay Asher, mas confesso que ele estava parado na listinha dos “livros pra ler um dia”. Até que eu descobri que essa história iria virar um seriado da Netflix e logo mudei para a lista dos “livros para ler LOGO”. E depois te ter lido muito, mas muito rápido, eu só posso dizer que esse livro precisa ser lido.

    E sabe porque eu digo isso? Porque esse livro aborda temas que precisam ser discutidos. Acredito que o Jay Asher foi muito corajoso em escrever sobre temas que tocam na ferida e, principalmente, em escrever de uma forma que abre os olhos do leitor.

     A história começa quando Clay recebe uma caixa misteriosa e cheia de fitas. Depois de começar a ouvir, ele descobre que foram gravadas por Hannah Baker – sua ex colega e antiga paixão, isso pois Hannah havia se suicidado há duas semanas atrás. Nessas fitas estão gravados todos os desabafos, segredos e confissões da Hannah. E ela não gravou essas fitas para qualquer um, ela gravou para 13 pessoas que contribuíram de alguma forma para o desfecho que a vida dela tomou.

     Então, basicamente, esse livro é carregado de muitas verdades e de muitos assuntos que nós não lemos a qualquer momento. Depois de ter lido eu me dei por conta de uma coisa interessante: o fato da personagem estar morta fez com que algumas coisas viessem à tona de uma forma que nunca viriam. E é bem assim na vida real, não é mesmo? As pessoas deixam de se abrir por medo de como a sociedade vai julgar.

     Outro ponto que eu amei na história, foi que o Jay Asher decidiu intercalar a narração das fitas da Hannah com a história do Clay em primeira pessoa. Ou seja, a medida que nós vamos  “ouvindo” o que a Hannah tem a dizer, nós também acompanhamos tudo que o Clay está pensando ou sentindo. E isso nos faz perceber algo muito tocante: a dúvida que ele tem sobre o poderia ter feito para ajudá-la.

    Por isso, eu termino essa resenha desejando que vocês leiam esse livro e que essa leitura abra os olhos de vocês para notarem o que está acontecendo ao seu entorno. E que vocês sempre ajudem alguém que esteja demonstrando atitudes de um possível suicídio.

Para mais informações sobre o assunto acesse o site do Centro de Valorização da Vida.

E para mais informações sobre o seriado assistam ao trailer abaixo:


"Era exatamente isso que eu queria para mim. Queria que as pessoas confiassem em mim, apesar de qualquer coisa que tivessem ouvido. E, mais do que isso, queria que me conhecessem. Não aquilo que pensavam saber a meu respeito. Mas eu de verdade"

"Você não pode interromper o futuro, nem modificar o passado. O único jeito de descobrir este segredo é apertando play►"

Comentários (1)

show normalcase tsN left fwR|show tsN fwR center|left fwR show|b04 bsd|||news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwR|tsN normalcase uppercase fwB|normalcase uppercase c10|content-inner||