HOME

NÃO EXISTE UMA FÓRMULA PARA ESCREVER!

Publicado em 04/11/2016 às 18h39

- Nós só precisamos começar -

            Escrever foi sempre algo intrínseco em mim. Costumo dizer que preciso escrever para viver, mas em todos esses anos, a minha escrita não passava de uns diários e os posts aqui do blog. Tudo mudou quando no primeiro semestre desse ano, eu resolvi cursar um semestre da disciplina de escrita criativa na faculdade. E posso dizer com todas as palavras que essa foi uma das melhores experiências da minha vida.

            Nunca tinha arriscado escrever ficção, tudo que escrevia no blog se baseava em uma opinião sobre algo que eu havia lido (tão superficial isso, né?). O medo e a falta de acreditar no meu potencial fizeram com que eu não explorasse um mundo inteiro em que a minha imaginação podia me levar. Era mais fácil opinar sobre o que os outros escreviam do que arriscar algo novo e desconhecido.

            Sempre acreditei que os escritores ficavam pensando toda a história antes de escrever, em seus mínimos detalhes. Mas percebi que tudo só acontece a partir do momento em que a gente começa a escrever e escreve, escreve, escreve, sem necessariamente ter a preocupação de chegar a algum lugar ou de se alguém vai querer ler aquilo. O mais importante é deixar o seu eu extravasar, porque depois de um texto pronto o sentimento de ver aquilo construído será gratificante. E aí virão um, dois, três, quatro textos e isso só irá depender de você.

            E era exatamente isso que eu não percebia: que só dependia de mim! Por isso, pensei que chegou a hora de publicar alguns textos meus e como o blog está em um período de mudanças mesmo, irei postar alguns aqui :) Além disso, pretendo dar algumas dicas de como dar o pontapé inicial para a criação literária. 

O que vocês acham disso?

“Talvez amadurecer signifique que você não precisa ser uma personagem seguindo um roteiro. É saber que você pode ser a autora” – Ava Dellaira

          

Comentários (1)

EU MUDEI, ELE MUDOU, NÓS MUDAMOS.

Publicado em 27/10/2016 às 00h00

     Como tudo na vida, não é mesmo? Posso dizer que esses últimos meses foram de grande reflexão, como aqueles momentos da vida em que a gente precisa colocar as coisas no seu devido lugar e planejar o futuro.

     Quando criei o Fórmula da Felicidade lia continuamente e avidamente muitos e muitos livros e como eu queria escrever sobre algo, não fazia sentido, naquela época, escrever sobre outra coisa que não fosse isso que eu tanto amava. Mas como me conheço muito bem, deixei o nome do blog como algo que pudesse ser expandido, vai que um dia eu mudasse de ideia?

     E esse dia chegou! Posso dizer que a blogosfera está perdendo um pouco a sua força. Hoje, as pessoas não buscam mais tanto o espaço de alguém na internet, mas nós como blogueiros temos que estar onde essa pessoa está, ou seja, nas redes sociais. Em toda essa minha observação, pensei em desistir do blog e criar algo mais original, diferente. Só que deixando ele uma semana em manutenção (para pensar bem no que eu ia fazer) vi a quantidade de acessos que teve – e pensei na decepção de quem abriu e viu: site em manutenção. Então vieram dois pensamentos: 1º eu amo escrever e isso me faz muito bem; 2º existem pessoas que leem. E sério, muito, muito obrigada por isso. Vocês são demais! 

     Por fim, falar de livros na internet foi algo simplesmente fantástico. Dividir as experiências da leitura com aqueles que tanto gostam, conhecer pessoas por isso, viajar para tantos eventos, enfim, cada um desses momentos realmente não tem preço e ficarão para sempre comigo, pois fazem parte de mim. Mas ao mesmo tempo, existe o lado desestimulante que fica bem escondido. Houve a época em que eu recebia provas de livros e tinha prazo para ler, muitas vezes algo que eu não queria ler e como meu tempo sempre foi pequeno, acabava lendo por ter que postar e não porque eu realmente queria. A blogosfera de livros é assim: ou você assume o compromisso com a editora (e eles muitas vezes só querem dinheiro e não dão a mínima para o blogueiro – que faz e muito para a divulgação) ou você faz por prazer. E eu sempre optei por fazer por prazer, sem cobranças, sem grandes divulgações. Até que chegou o momento que pensei: eu gosto de fazer outras coisas por prazer! Então por que não arriscar? E para completar tudo isso um post não literário do blog começou a render a maior parte dos acessos.

     Por isso, o Fórmula da Felicidade não será mais literário, é claro que irei postar resenhas e opiniões aqui, continuo amando ler e isso nunca irá acabar. A partir de agora, no entanto, ele será tudo que eu quiser que ele seja. Pois como uma boa taurina com ascendente em gêmeos (haha) mudo muito de ideias e o blog irá me acompanhar nisso, trazendo tudo que me traz felicidade e sendo do tamanho dos meus sonhos.

      Vamos comigo?

“As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem.”

CHICO BUARQUE -

Comentários (1)

VLOG: Bienal do Livro de São Paulo

Publicado em 07/09/2016 às 13h33

Oi, gente. Nesse vlog vocês vão poder ver tudo que nós aproveitamos na Bienal do Livro de São Paulo nesse ano. Vamos assistir?

Se inscreva no canal para receber os próximos vídeos!

Obrigada por assistir ♥

 

 

Comentários (0)

Dicas para aproveitar a Bienal do Livro de SP

Publicado por Laisa Helena em 20/08/2016 às 18h37

     Faltam 6 dias para a Bienal do Livro de SP e para os bookaholics de plantão esse é o evento mais esperado do ano. Minha primeira bienal foi exatamente a de São Paulo em 2014 e eu já estou morrendo de saudade de aproveitar esse evento maravilhoso no Anhembi e nessa cidade que tem meu coração por inteiro. Então, hoje eu vim deixar algumas dicas (principalmente para os que irão pela primeira vez):

Antes de ir:

* Faça uma lista de todos os livros que pretende comprar e anote os preços da internet para ver se realmente a promoção valerá a pena. Muitas vezes os descontos são ótimos, mas também existem muitos que não compensam e na alegria do momento acabamos comprando livros que seriam bem mais baratos se comprados fora da bienal;

*Leve uma mochila ou uma mala de rodinhas. Acredite é insuportável carregar todos os livros nas sacolas penduradas nos braços e sem contar que quando vamos tirar a foto com o autor não sabemos nem onde colocar tantas sacolas;

*Compre lanchinhos e leve-os. A bienal tem praça de alimentação, mas os lanches são caros e as filas enormes. Provavelmente, quando você estiver com fome irá ter que esperar bastante para comer, por isso, é bom que tenha um lanchinho para disfarçar a fome, além de economizar né (porque daí você pode comprar mais livros )

Para ir:

* Vá de metrô! Na primeira bienal, fiquei morrendo de medo de me perder, afinal foi a primeira vez que andei de metrô na vida (Porto Alegre não tem esse transporte), mas é a melhor forma de ir. Portanto, vá até a estação Tietê e pegue o ônibus que irá para a bienal. Nos finais de semana, os ônibus saíram da estação Barra Funda também e esse transporte irá funcionar a partir de uma hora antes do evento até uma hora após o término do evento;

*Vá cedo. Esse ano, a organização da bienal disponibilizou as senhas das sessões de autógrafos pela internet, o que foi maravilhoso, pois evitará as filas enormes e o empurra-empurra na entrada. Mas para os que querem pegar senhas nos estantes a dica é ir cedo para garantir aquele autógrafo tão desejado.

Na Bienal:

* Hidrate-se (por isso, outra dica: leve uma garrafinha de água). Li mil vezes essa dica antes de ir para as bienais e nunca levei a sério. Até que na bienal do RJ, no ano passado, eu passei muito mal. Inclusive corri o risco de não poder conhecer a Colleen Hoover (sendo que eu tinha viajado até o RJ só para isso), no final eu me recuperei e consegui. Portanto, não corra esse risco também, não vale a pena;

* Não compre o livro desejado no primeiro estande em que entrar. Muitas vezes os livros têm uma grande diferença de preço de um estande para o outro. Por isso, é melhor levar a listinha e pesquisar até encontrar o mais barato (veja se as promoções cumulativas valem a pena, muitas vezes se você compra muitos livros o desconto é maior! Vale a pena levar dinheiro, pois assim você pode comprar junto com um amigo e daí o desconto fica maior ainda).

*Faça novos amigos. Essa é a parte mais linda da Bienal, pois a maioria do pessoal que vai é tão apaixonado por livros quanto você. Então aproveite para conversar sobre os livros, conhecer novas opiniões/pessoas e fazer amizades (eu, a Jessyca e a Samara nos conhecemos na última Bienal de São Paulo e agora vamos em todas juntas! E passamos o ano todo conversando apesar de toda a distância).

# Alguns dos eventos mais legais que você poderá participar na Bienal:

     Sábado, 27 de agosto:

11h: Palestra com Maurício de Sousa na Arena Cultural (mais informações aqui);

11h: Sessão de autógrafos com Zack Magiezi no estande da Record (as senhas estarão disponíveis no dia do evento, a partir da abertura, no estante da Record) - (mais informações aqui);

13h30: 5º Encontro de Booktubers para inscritos (local não definido ainda) - (mais informações aqui);

15 – 20h: Sessão de autógrafos com Pedro Gabriel no estante da Intrínseca (Esse evento não terá distribuição de senhas) - (mais informações aqui);

16h: Bate-papo com Jennifer Niven e sessão de autógrafos (para quem já pegou a senha no site da bienal) na Arena Cultural - (mais informações aqui);

20h: BIENIGHT na Arena Cultural - (mais informações aqui);

     Domingo, 28 de agosto:

11h: Palestra com Marian Keyes e sessão de autógrafos (para quem já pegou a senha no site da bienal) na Arena Cultural - (mais informações aqui);

13h: Sessão de Autógrafos com Tarryn Fisher e Jen Sterling (para quem já pegou senha no site da bienal) - (mais informações aqui);

14h: Sessão de autógrafos com Paula Pimenta no estande da Record (as senhas estarão disponíveis no dia do evento, a partir da abertura no estante da Record) - (mais informações aqui);

15h: Sessão de autógrafos com Bianca Briones no estande do Grupo Autêntica (as senhas estarão disponíveis a partir das 11h, no estante do Grupo Autêntica) - (mais informações aqui);

15-20h: Sessão de autógrafos com Clarice Freire no estande da Intrínseca Esse evento não terá distribuição de senhas) - (mais informações aqui);

16h: Bate-papo com Ava Delaria e sessão de autógrafos (para quem já pegou a senha no site da bienal) na Arena Cultural - (mais informações aqui);

17h: Sessão de autógrafos com Babi Dewet no estande do Grupo Autêntica (as senhas estarão disponíveis a partir das 11h, no estante do Grupo Autêntica) - (mais informações aqui);

*Para mais informações e eventos acesse o site da bienal e baixe o app do evento!

Quem aí também está ansioso para o evento? Comentem! Beijos 

Comentários (0)

A Coroa (A Seleção #5) - Kiera Cass

Publicado por Laisa Helena em 31/07/2016 às 15h09

*Alerta: Se você não leu nenhum livro da série “A Seleção”, recomendo que não leia essa resenha e sim este post.

Editora: Seguinte

Autora: Kiera Cass

Número de páginas: 310

Classificação: ♥♥♥♥♥

Onde comprar: Amazon / Saraiva (capa dura) / Submarino

Em A Herdeira, o universo de a Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava. America Singer e o Príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.

     Nesse livro, Eadlyn está passando por sua própria seleção e já mandou alguns dos garotos para casa. Além disso, o seu irmão gêmeo foi embora recentemente para a França, sua mãe – nossa amada America Singer – acabou de ter um ataque cardíaco (o que a obriga a assumir o trono temporariamente) e ela descobre que o povo não gosta tanto assim dela. Bom, digamos que as coisas não estão muito fáceis para ela.

     Acabei a leitura de “A herdeira” cheia de expectativas já que havia gostado muito da leitura. Gostei de como a Eadlyn demonstrou sua personalidade forte, gostei de como a Kiera focou nos problemas sociais de Illéa e, como falei na resenha (leia aqui), acreditava que “A herdeira” era apenas um livro introdutório e que a história ia deslanchar muito em “A coroa”, mas infelizmente não foi bem assim.

     Começando que eu detestei a capa, mas tentei relevar isso e pensar que a história valeria a pena. O livro anterior tinha trazido questões importantes sobre a sociedade e deu um grande destaque à distopia, mas nesse, parece que algumas coisas se resolveram de forma tão fácil e alguns outros problemas irrelevantes – para um país – apareceram e tiveram um enfoque desnecessário.

    A Eadlyn que sempre apresentou uma postura firme e uma personalidade forte pareceu ter perdido isso nesse livro, pelo menos em grande parte dele (acredito que porque grande parte dos leitores não gostou dessa personalidade, a Kiera tentou dar uma “arrumadinha” nesse livro). E, sinceramente, em alguns momentos, deu vontade de gritar com a personagem, ela não via coisas que estavam acontecendo na frente dela, para qualquer um ver – algo que é inaceitável para alguém que será rainha.

     Por fim, gostei do final da questão social que a Kiera deu à história e nisso ela sempre arrasa por ser formada em história, também gostei de algo que foi destacado no livro: se devemos agir com o coração ou do jeito que os outros esperam de nós? Mas posso dizer que o fim da seleção como um todo me decepcionou um pouquinho. Portanto, eu recomendo a leitura, afinal é o último livro dessa série maravilhosa da Kiera Cass, porém não criem grandes expectativas para essa leitura, vão ler com o coração aberto e sem esperar nada revolucionário como acontecia na antiga fase da série (que ainda será a minha favorita do ♥, e confesso que apesar de não ter gostado tanto assim desse livro, já estou morrendo de saudades desses personagens tão queridos).

"Encostei na parede, prestes a desatar a chorar. Nenhuma pessoa é mais poderosa que eu. E, no entanto, nunca tinha me sentido tão indefesa."

Quem leu gostou da leitura? E quem não amou, assim como eu? Comentem! Beijos ♥

Comentários (2)

Especial: Livros de Marcar

Publicado por Laisa Helena em 20/07/2016 às 13h00

Editora: Verus

Autora: Increasy Consultoria Literária

Número de páginas: 200

Classificação: ♥♥♥♥

Livro de marcar livros         

Esta é a sua agenda de leituras! Um lugar para anotar todos os livros que você leu, separá-los por categorias e organizar suas metas de leitura, tudo isso enquanto enfrenta desafios estimulantes e divertidos. Apresentando as mais variadas listas e propondo uma jornada literária diversificada e ousada, o Livro de marcar livros é bem mais que uma experiência interativa: é também uma timeline dos seus hábitos literários e um espaço para planejar todas as suas próximas aventuras literárias, com a incrível possibilidade de compartilhar tudo isso com seus amigos. Não fique de fora! Embarque no #livrodemarcarlivros, navegue pelos desafios e delicie-se com o prazer da leitura!

     Vi pela primeira vez esse livro na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, e como uma apaixona por livros eu tive que comprar. Afinal, esse livro serve como um diário para registrar nossas leituras e também contém diversas listas de livros para serem lidos, como: os livros ganhadores do prêmio Nobel de literatura, os ganhadores do prêmio Jabuti – categoria romance, entre outros.

     Levando em consideração que este é um livro de marcar, ele basicamente apresenta essas listas que podemos definitivamente marcar se o livro já foi lido ou será lido. E apresenta também partes para preencher, algumas são: clássicos para ler antes de morrer, livros brasileiros que li e recomendo, livros que li e foram adaptados para o cinema, livros que me emocionaram, livros que quero ler ou já li no inverno/verão, livros que desejo, livros que tenho mais de uma edição na estante, confesso que comprei pela capa ou pelo título (quem nunca?), livros que tenho autografados e muitas outras.

     Tirando a empolgação do momento em que comprei o livro, quando pude analisar ele calmamente e começar a preencher, encontrei vários pontos positivos e negativos, então vou falar um pouco deles:

Pontos positivos: O livro resume basicamente todos os pontos que um bom diário de leitura deve ter e se torna muito divertido poder separar as leituras em livros que decepcionaram, emocionaram, entraram para a lista de favoritos ou que tinham personagens marcantes. Além disso, uma parte desse livro ganhou meu coração: nela podemos colar as fotos que tiramos com os autores, também podemos escrever de nossos projetos literários, eventos literários,  bienais do livro e ainda tem uma agenda para lançamentos. Simplesmente amei essa parte, pois amo todos esses itens;

Pontos negativos: Infelizmente, nada é perfeito, e eu encontrei alguns pontos negativos nesse livro e entre eles estão: o mau aproveitamento das páginas (a diagramação não ficou perfeita, pois caberiam mais linhas para preencher), o livro acabou ficando com muitas categorias e o tamanho de cada uma delas ficou pequeno, afinal para um bom bookaholic as listas de livros favoritos, desejados, autografados são gigantescas. Então, se você é um bookaholic irá se decepcionar um pouco com a falta de espaço desse diário. Porém, acredito que vale a experiência de preencher e marcar, pois é muito divertido e também nos faz conhecer muitas novas histórias para serem lidas!

Livro de marcar filmes

Muito mais do que uma simples lista de recordações, o Livro de marcar filmes traz sugestões e também propostas que vão agitar os fãs de cinema! A ideia aqui é criar um registro de experiências cinematográficas e descontrair esse tema tão democrático e que desperta tantas paixões, sem a pretensão de ser um manual técnico. De Hollywood a Bollywood, passando pelas produções latinas, europeias e asiáticas, a ideia é curtir o maior número possível de longas, se desdobrar em maratonas e reconhecer a beleza de cada obra, mesmo das mais diferentes. O Livro de marcar filmes é um lugar para anotar os filmes a que assistiu em diversas categorias, aqueles que conquistaram o seu coração e os que ainda quer ver, enquanto descobre os premiados, que nenhum cinéfilo pode deixar passar.

     Logo depois do sucesso do livro de marcar livros, foi lançado o livro de marcar filmes, para os apaixonados pela sétima arte. Dessa vez, o livro veio em uma capa mais mole que a do primeiro livro. Isso porque muitos reclamaram que era difícil de escrever no livro em capa dura, já eu gostei mais da capa dura (porque capa dura é capa dura, não é mesmo!).

    A organização é bem parecida com o livro de marcar livros, existem as listas para marcar os filmes já assistidos e que serão assistidos - algumas dessas listas são: Oscar de melhor filme, palma de ouro, grande prêmio do cinema brasileiro, melhores documentários, melhor fotografia, as animações mais legais. O que eu achei mais legal dessa parte é que tem espaço para acrescentar filmes que ganharão esses prêmios nos próximos anos. Além disso, tem a parte de preencher que contém: filmes que assisti recentemente, filmes que quero ver e divisões que gêneros como: terror, suspense, drama e entre outros. Em todas essas divisões é possível preencher com: filme, ano, direção, país, nota e ainda tem espaço para comentários.

     Como no livro anterior, esse apresenta seus pontos positivos e negativos – sendo esses:

Pontos positivos: O livro é perfeito para termos uma recordação do que achamos do filme assistido e ainda tem espaço para escrevermos quais foram as partes que nós mais gostamos, como foi a atuação dos atores, o que achamos da adaptação literária. Além disso, a minha parte do livro favorita foi: qual a nacionalidade? – pois podemos conhecer um pouquinho de onde foram feitos os filmes. Confesso que muitos eu acreditava que fossem americanos e não eram e nessa parte também tem o meu filme favorito de todos os tempos - O fabuloso destino de Amelie Poulain.

Pontos negativos: Como já supracitado, ainda acho que poderiam ter mais espaços para preenchimento, afinal esse pode ser um diário para a vida toda. Além disso, a capa mole me incomodou, achava a capa dura muito mais bonita. Por fim, só posso dizer que esse é um livro fantástico para os cinéfilos! E quem não conhece um, não é mesmo? Então já fica a dica para dar de presente!

     Vocês gostaram desses dois livros? Já começaram a preencher? Comentem! Beijos ♥

Comentários (1)

Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven

Publicado por Laisa Helena em 13/07/2016 às 18h44

Editora: Seguinte 

Autora: Jennifer Niven

Número de páginas: 336

Classificação: ♥♥♥♥♥

Onde comprar: Amazon / Saraiva / Submarino

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.

Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

     Violet Markey acabou de perder a irmã e está enfrentando o luto por inteiro: afastando-se das pessoas; sentindo dor, culpa e muita, mas muita saudade da irmã. Já Theodore Finch enfrenta sua depressão/bipolaridade sozinho, pois é considerado uma “aberração” no colégio em que estuda e, além disso, tem uma família que não se importa muito com ele. O destino dos dois se cruza quando eles se encontram no topo da torre do sino do colégio, prestes a pôr um fim nas suas vidas. A partir desse momento, eles encontram um no outro a chance de ter alguém com quem dividir toda a dor que sentem e se unem para fazer um trabalho de geografia em que conhecerão alguns lugares incríveis. E esse trabalho se torna tudo, menos um simples dever do colégio.

     Que livro incrível! (eu não poderia começar essa resenha, senão com essas palavras) eu li essa história no começo do ano e reli agora novamente e essa leitura é espetacular. A escrita da Jennifer Niven é fluída, leve e inteligente. Ela trata de problemas tão graves, como: bullying, depressão, transtorno bipolar, luto por perda de um ente querido e tentativa de suicídio, de uma forma que nos toca e nos mostra o quanto tudo isso ocorre e muitas vezes não percebemos ou não nos importamos.

     Alguns podem até achar que certas passagens do livro são desconexas e confusas de ler, mas a autora quis nos mostrar exatamente como uma pessoa com esses problemas se sente e, em muitos momentos, eu senti vontade de abraçar o personagem e de poder ajudá-lo.

     Já li vários livros com esses temas, mas a história de Violet e Finch superou qualquer leitura. Pois nenhuma havia me mostrado ainda o quão grave são esses problemas e o quanto nós que estamos de fora precisamos agir. Ajudar quem está com depressão, entender algumas atitudes e, principalmente, não se calar quando vermos algo está diferente com aquela pessoa ou quando assistimos a uma cena de bullying.

     Eu não somente recomendo, mas digo a vocês: esse livro é uma lição de vida, uma leitura obrigatória para qualquer um. Leiam! E aos interessados, na Bienal do Livro de SP, a Jennifer Niven estará aqui no Brasil e poderemos abraçar ela e dizer o quanto ela é brilhante.

     “Isso é relativo. Olha só, eu não acho que está tarde. Eu acho que está cedo. É o início das nossas vidas. O início da noite. O início do ano. Se você parar pra pensar, vai ver que está mais cedo que tarde. – Finch”.

     “Agora tudo que vejo é uma garota morrendo de medo de viver. Vejo as pessoas darem um empurrãozinho de vez em quando, mas nunca forte o suficiente porque não querem contrariar a pobre Violet. Você precisa de um baita tranco, não de um empurrãozinho. Você precisa retomar as rédeas. Ou vai ficar em cima do parapeito que construiu para si mesma pra sempre. – Finch”.

     “Amo meu quarto. O mundo é melhor aqui do que lá fora, porque aqui sou o que eu quiser. Sou uma autora brilhante. Posso escrever cinquenta palavras por dia e nunca fico sem palavras. Sou uma futura aluna de escrita criativa na NYU... Sou destemida. Sou livre. Estou segura. – Violet”

     “Olho para ela longamente. Conheço a vida bem o suficiente para saber que não podemos acreditar que as coisas vão ser sempre iguais, não importa o quanto a gente queira. Não podemos impedir que as pessoas morram. Não podemos impedi-las de ir embora. Não podemos impedir nós mesmos de ir embora. Me conheço bem o suficiente para saber que ninguém consegue me manter acordado ou me impedir de dormir. Tenho que fazer isso sozinho. Mas, cara, como gosto dessa garota. – Finch”.

 

Quem também leu, gostou? E quem não leu ainda está com vontade? Comentem!

Beijos ♥

Comentários (1)

show normalcase tsN left fwR|show tsN fwR center|left fwR show|b04 bsd|||news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwR|tsN normalcase uppercase fwB|normalcase uppercase c10|content-inner||