Eu me chamo Antônio - Pedro Gabriel

Publicado em 24/02/2015 às 20h46

Editora: Intrínseca

Autor: Pedro Gabriel

Número de Páginas: 192

Classificação: ♥♥♥♥♥

     Antônio é o personagem de um romance que está sendo escrito e vivido. Frequentador assíduo de bares, ele despeja comentários sobre a vida — suas alegrias e tristezas — em desenhos e frases escritas em guardanapos, com grandes doses de irreverência e pitadas de poesia. Antônio é perito nas artes do amor, está sempre atento aos detalhes dos encontros e desencontros do coração. Quando está apaixonado, se sente nas nuvens e nada parece ter maior importância, e, quando as coisas não saem como esperado, é capaz de enxergar nas decepções um aprendizado para seguir adiante. Do balcão do bar, onde Antônio se apoia para escrever e desenhar, ele vê tudo acontecer, observa os passantes, aceita conversas despretensiosas por aí e atrai olhares de curiosos. Caso falte alguém especial a seu lado (situação bastante comum), Antônio sempre se acomoda na companhia dos muitos chopes pela madrugada. A mente por trás de Antônio é Pedro Gabriel. Em outubro de 2012, ele inaugurou a página Eu me chamo Antônio no Facebook para compartilhar o que rabiscava com caneta hidrográfica em guardanapos nas noites em que batia ponto no Café Lamas, um dos mais tradicionais bares do Rio de Janeiro. Em seu primeiro livro, Pedro apresenta histórias vividas por seu alter ego, desde a cuidadosa aproximação da pessoa desejada, o encantamento e a paixão, até o sofrimento provocado pela ausência e a dor da perda. Os guardanapos que inspiram milhares de pessoas na internet agora estão reunidos numa caprichada edição, novo lançamento da Intrínseca.

     O que começar dizendo desse livro? Simplesmente ENCANTADOR! Vou ser sincera com vocês, peguei muitas vezes o livro do Pedro Gabriel, mas não abria para ver o que tinha dentro. E que arrependimento! Resolvi realmente ler, depois de amar a leitura de “Pó de Lua” da Clarice Freire, que é igualmente encantador e lindo (resenha aqui).

     Assim como a Clarice, o Pedro nasceu com o dom que poucas pessoas têm: o olhar sensível e observador do mundo. Ao ler cada um dos guardanapos, suspiramos e pensamos: como eu não percebi isso dessa forma?

     Eu me chamo Antônio, é um livro para carregar na bolsa e deixar na cabeceira da cama. Sempre que precisarmos de um pouquinho de reflexão ou até mesmo sair da rotina, é só ler uma página desse livro.

"Sonhe alto. O máximo que pode acontecer é você realizar um sonho à altura". Pág. 20

"Encantado, encontro você em cada canto". Pág. 36

"O amor cabe até onde não tem cabimento". Pág. 38

"É que, às vezes, precisamos perder amores para ganhar poemas". Pág. 68-69

"Eu não sou amargo. É que, às vezes, a vida rouba a nossa doçura". Pág. 104

"Um dia, a liberdade será tamanha que abriremos as nossas asas sem ferir ninguém". Pág. 126

"Seu amor é meu até certo ponto. Meu amor é seu até certo ponto. Encontrar esse ponto é encontrar esse amor e ponto". Pág. 143

    Indico esse livro para todos lerem. Mas principalmente, para aqueles que querem um pouquinho mais de arte, leveza e inspiração que o mundo do Antônio trás para as nossas vidas!

Quem também leu e se encantou pelo livro? Comentem! Beijos ♥

Comentários

Bruna Lombardi em 26/03/2015 18:33:04
Oie
Heloisa Beal em 02/03/2015 15:35:50
Já fiquei encantada, apenas de ler as frases que você postou *.*
Adoreei!

Enviar comentário

voltar para HOME

show normalcase tsN left fwR|show tsN fwR center|left fwR show|b04 bsd|||news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwR|tsN normalcase uppercase fwB|normalcase uppercase c10|content-inner||